ESCRITORES

ESCRITORES

Testemunho do projétil que matou Maiakóviski - Fábio Bahia

Da poesia de Fábio Bahia depreendem-se as marcas bem definidas de um lirismo múltiplo. Neste sentido, sua poética apresenta uma conjugação complexa das vozes líricas que se harmonizam ou mesmo se conflitam numa mesma peça de poema. Deste movimento amalgamado é que se concebe uma poesia livre de monotonia e afastada de uma concepção monocrática das imagens poéticas.
O eu poético de Fábio Bahia parece promover a confluência de um lirismo vário, de vozes que se bifurcam, de nuances poéticas que se harmonizam para a construção de um quadro estético que traduz ao leitor a essência da vida e suas vicissitudes. O excelente poema "Memória e contraditória" que é uma perfeição em forma, imagem, e sentido lírico, é um exemplo do caráter multifário de sua poesia, onde o poeta não encontra dificuldade em conciliar imagens antagônicas como "Raízes cravadas no passado" e "...folha solta ao vento".
Por Epitácio Carvalho na orelha do livro.

Testemunho do projétil que matou Maiakóviski

A concha-carne padece por dentro,
A alma previamente eutanasiada,
A futura mão cadavérica me posiciona
Um tremor denuncia a indecisão
Permaneço impávido dentro da arma,
O estampido é acolhido pelas paredes
Meu caráter é de chumbo, sem emoções,
Mas não deixo de notar num milésimo de segundo,
Quão prosaico era o coração do brilhante poeta!

Postar um comentário